segunda-feira, 25 de março de 2013

Obelisco de Theodomiro Porto da Fonseca e a amnésia histórica de São Leopoldo (RS)


O Obelisco em homenagem ao intendente Theodomiro Porto da Fonseca, em São Leopoldo (RS) é um dos tantos monumentos que demonstram o descaso e a amnésia histórica da cidade.

Sua origem remonta a Exposição Agrícola, Industrial e Avícula de São Leopoldo, em 1934, comemorativa aos 110 anos da Imigração Alemã. O monumento foi mandado erigir pela própria população, sendo sua construção financiada pelos apoiadores do prefeito e demais entusiastas.

Não é exagero dizer que, quase 80 anos depois, a homenagem orgulhosamente oferecida pela sociedade virou vergonha: o obelisco é utilizado para ancoragem de contêineres de lixo, encontra-se depredado, com algumas peças furtadas e enfm, completamente desvalorizado pelo abandono e poluição visual do entorno.

Theodomiro Porto da Fonseca foi o intendente e prefeito que viabilizou importantes obras para São Leopoldo e outros municípios que até então eram distritos: Usina da Toca (obra originária da CEEE), rede de escolas municipais, Paço Municipal (recentemente desocupado), rede de esgotos de São Leopoldo, muro de arenito em estilo gótico do cemitério municipal, entre outras.

O monumento, assim como os outros (como a Praça do Imigrante), demonstra o carinho com que São Leopoldo acolhe sua memória.

FONTES:
Relatório de 1934 apresentado ao Exc. Snr. General Interventor Federal Dr. José Antônio Flores da Cunha pelo Prefeito Theodomiro Porto da Fonseca. São Leopoldo: Editora Rotermund, 1934.
FONSECA, Mario. Biografia de Theodomiro Porto da Fonseca in Anais do 1ª Simpósio de História da Imigração e Colonização Alemã no Rio Grande do Sul. São Leopoldo: Editora Rotermund, 1964.

segunda-feira, 18 de março de 2013

Inauguração da Igreja Evagélica Luterana de Três Passos (RS)


A foto reproduz o postal editado em lembrança da inauguração da nova igreja da Comunidade Evangélica de Três Passos (RS), filiada a IECLB.

A construção levou cerca de seis anos e a obra foi festivamente inaugurada em 11 de novembro de 1956. A igreja representa a fase de prosperidade das "colônias novas" no noroeste do Estado, em que as construções de madeira começaram a ser substituídas pelas de alvenaria. Encontra-se preservada, compondo o patrimônio histórico material infelizmente ainda não reconhecido por tombamento no município.

Fonte: Jahrweiser - Almanaque do Sínodo Luterano (1958)

domingo, 17 de março de 2013

O luxuoso palacete de Baldomero Barbará em Uruguaiana (RS)


Marcando uma esquina nobre da cidade, em frente a praça central, o palacete da família de Baldomero Barbará segue sendo um símbolo da prosperidade de Uruguaiana (RS) no início do século XX.

O casarão foi projetado pelo arquiteto italiano Domingos Rocco, abrigando em seu interior o primeiro elevador da cidade. Além disso, o palacete conta com uma belíssima clarabóia, torreão de cobre na esquina, terraço e escadarias em mármore de Carrara. Teria sido construído com materiais importados da Itália.

Inaugurado em 1913, o palacete serviu de residência a família de Baldomero Barbará até meados de 1930. Deste ano até 1978 funcionou curiosamente como quartel militar. Hoje o local abriga o centro cultural da cidade, com arquivo público farto em documentação sobre o município.

Foto: Jorge Luís Stocker Jr. / 2013

sexta-feira, 15 de março de 2013

A escola teuto-brasileira de Samuel Dietschi em Hamburgo Velho


Localizada em frente a Fundação Scheffel, a conhecida "Casa da Lira" chama atenção até hoje pela imponência, e caracteriza-se pela réplica do instrumento musical que ornamenta seu frontão.

A lira é testemunha da escola de música que ali funcionou, coordenada por Samuel Dietschi. Mas inicialmente não tratava-se apenas de uma escola de música: a Deutsche-Brasilianische Schule (escola teuto-brasileira) assumia toda a educação e funcionava no regime de pensionato, com a possibilidade de semi-pensionato por menor custo. No local ensinava-se português e alemão, e as aulas de música eram pagas em separado.

Nota-se no desenho do anúncio que a rua ainda não havia sido rebaixada (o que ocorreu em 1920, ocasionando o surgimento de mais um andar térreo). Também ainda não havia sido construído o pórtico lateral que hoje complementa esta bela residência.

Fonte: Kalender für die deutschen in Brasilien - 1907

terça-feira, 12 de março de 2013

A marca de Seubert em Panambi (RS)

No alto de uma colina da antiga Colônia de Neu Württemberg, hoje município de Panambi, encontra-se um dos mais expressivos templos luteranos no Rio Grande do Sul.

O templo inaugurado em 1923 foi projetado pelo arquiteto alemão Ernst Seubert. O arquiteto residiu em Hamburgo Velho, local onde também projetou algumas das obras arquitetônicas mais representativas (entre elas, o monumento do centenário).

A disposição da torre aos fundos foi bastante recorrente na arquitetura religiosa luterana na década de 30, modismo cuja origem normalmente é atribuída a igrejinha Martin Luther (1936), do Arq. Siegfried Costa em Porto Alegre (RS). O templo projetado por Seubert em Panambi, que é anterior, já denota modernização na linguagem arquitetônica e na disposição funcional do programa.

A imagem mostra uma perspectiva da época da construção do templo.

FONTES:
Imagem extraída do Kalender für die Deutschen Evangelischen Gemeiden in Brasilien - 1928 ("Jahrweiser")
Comunidade Evangélica de Panambi http://www.ieclb.com.br/index.php?menu=1101

sexta-feira, 8 de março de 2013

A histórica Pharmacia Licht de Santo Ângelo (RS)


No centro histórico de Santo Angelo (RS), um prédio de esquina guarda forma e função originais: trata-se da Farmácia Licht.

Uma farmácia foi fundada no mesmo local em 1905 por Otaviano Lomega, e foi posteriormente adquirida por Amantino Licht em 1912.
A edificação original passou por uma extensa reforma em 1924, visando adequar-se às exigências da Diretoria de Higiene vigentes. Desde então, a Farmácia Licht se mantém aberta e com seu aspecto externo na maior integridade, com destaque à alegoria da medicina sob o frontão da esquina.

FONTE - Imagem antiga e informações: FRANCO, Alvaro e RAMOS, Senhorinha Maria. Panteão Médico Rio-Grandense.São Paulo: Ramos Franco Editores, 1943.
A fonte é uma colaboração de Cristiano Enrique de Brum.

sexta-feira, 1 de março de 2013

Agapan: Vanguarda na defesa do meio ambiente

A imagem mostra o espaço de anúncio ocupado pela AGAPAN - Associação Gaúcha de Proteção ao Ambiente Natural no jornal Hamburgerber de 1983.

A AGAPAN foi fundada em 1971 por vários ecologistas, entre eles José Lutzenberger, que escreveu alguns artigos para o Hamburgerberg.

O jornal era editado em Novo Hamburgo (RS) pelo artista Ernesto Frederico Scheffel, historiadora Angela Sperb e outros, com o objetivo de promover a preservação do bairro histórico Hamburgo Velho.

O anúncio demonstra que tanto a vanguarda pelo patrimônio histórico em Novo Hamburgo quanto a vanguarda da preservação ambiental estavam bem alinhadas e em pleno intercâmbio de ideias.

Fonte: Jornal Hamburgerberg nº5 - 1983